A descoberta arqueológica que pôs fim a antigo mito sobre ‘cidade de gigantes’ na Etiópia

Arqueólogos descobriram uma cidade “perdida” há mil anos na Etiópia, que, por ter paredes construídas com blocos exageradamente grandes, deu origem ao mito de que gigantes viviam na região.
Além das ruínas, os pesquisadores encontraram vários artefatos vindos de outras regiões do mundo – como Egito, Índia e China. Segundo os arqueólogos, a cidade era um importante e vibrante polo de comércio internacional.
Os especialistas não encontraram evidências que comprovassem o mito da “cidade de gigantes”.
“Nós refutamos isto, mas não temos certeza de que eles (a população local) acreditam em nós”, comentou arqueólogo-chefe da expedição, Timothy Insoll, professor da Universidade de Exeter, na Grã-Bretanha.
O ‘peixe-robô’ encarregado de viajar ao núcleo de reator contaminado de Fukushima
Os pesquisadores também descobriram uma mesquita do século 12, semelhante às encontradas na Tanzânia e Somália. Isso, segundo eles, comprova que as diferentes comunidades islâmicas na África se comunicavam.
A equipe ainda encontrou joias e artefatos de Madagascar, das Maldivas, Iêmen e China. Isso porque, segundo Insoll, Harlaa era um centro “rico e cosmopolita” de fabricação de joias.
“Os moradores de Harlaa faziam parte de uma comunidade misturada de estrangeiros e locais que realizavam comércio com outras populações do Mar Vermelho, Oceano Índico e possivelmente até do Golfo Árabe”, explicou o pesquisador.
“Esta descoberta revoluciona nossa compreensão sobre o comércio em uma parte negligenciada da Etiópia em termos arqueológicos. O que encontramos mostra que esta área era o centro do comércio na região”, disse Insoll.

BBC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.