Bolsonaro participa de jantar em Brasília com embaixadores de países islâmicos

Encontro foi organizado por ministério e pela Confederação da Agricultura. Ministra já disse que países estão incomodados com decisão de Bolsonaro de abrir escritório em Jerusalém.

Por Guilherme Mazui e Mateus Rodrigues, G1 e TV Globo — Brasília

10/04/2019 19h43  Atualizado há 2 horas (Foto: Alan Santos/PR)

O presidente Jair Bolsonaro participa na noite desta quarta-feira (10) em Brasília de um jantar com embaixadores de países islâmicos. Até a última atualização desta reportagem, o presidente ainda estava no local.

Além do presidente, também participaram do jantar o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

O jantar foi organizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Ministério da Agricultura.

Segundo a CNA, foram convidados embaixadores de 40 países. O objetivo, acrescentou a entidade, é fortalecer parcerias comerciais entre o agronegócio brasileiro e os países islâmicos.

O jantar acontece dez dias após Bolsonaro anunciar, durante visita a Israel, a abertura de um escritório comercial na cidade de Jerusalém.

A decisão, segundo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, deixou os países árabes incomodados com o Brasil.

A decisão de Bolsonaro é polêmica porque, embora Israel considere Jerusalém a capital “eterna e indivisível” do país, a Palestina reivindica a parte oriental da cidade como capital do futuro Estado.

A comunidade internacional reconhece Tel Aviv como capital de Israel.

Após a campanha eleitoral do ano passado, Bolsonaro disse que iria transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém. Em entrevistas recentes, tem afirmado que não mudou de ideia.

Os países árabes são grandes compradores de carne bovina e de frango do Brasil.

Para o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a aproximação do governo Bolsonaro com Israel não gerará prejuízos ao agronegócio brasileiro.

Presidente Jair Bolsonaro discursa em jantar com embaixadores de países islâmicos — Foto: Alan Santos/PR
Presidente Jair Bolsonaro discursa em jantar com embaixadores de países islâmicos — Foto: Alan Santos/PR

Encontro ‘positivo’

Pouco antes das declarações de Ibrahim Alzeben, a ministra Tereza Cristina (Agricultura) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) classificaram o encontro como “positivo”.

“O Brasil continuará cada vez mais firme nessa determinação de ser um país amigo de todos os países. O nosso papel, na agricultura, é cada vez mais fortalecer além da amizade o negócio da agropecuária brasileira, com esses grandes parceiros que são esses países da Liga Árabe”, disse Tereza Cristina.

Na avaliação do chanceler Ernesto Araújo, não houve “estranhamento” entre o Brasil e os países islâmicos, sequer um “gelo”.

“Nunca houve gelo. […] Sempre é importante que nós mostremos, na prática, que certas coisas que se especula não existem. Temos uma amizade muito grande por todos os países que estão aqui representados”, declarou.

‘Braços abertos’

Durante o encontro, Bolsonaro fez um discurso aos embaixadores no qual afirmou que o governo “está de braços abertos a todos, sem exceção”.

Em um trecho divulgado pelo Palácio do Planalto em uma rede social, também disse esperar que os laços comerciais com os países “cada vez mais se transformem em laços de amizade, de respeito e de fraternidade”.

Após o jantar, o presidente da CNA, João Martins, afirmou ao colunista do G1 e da GloboNews João Borges que o “mal-entendido” com os países islâmicos agora é “página virada” porque, segundo ele, os embaixadores saíram satisfeitos com as explicações do governo brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.