Subsecretário nomeado por Ibaneis no DF é ficha suja e está proibido de assumir cargo até 2020

Marcelo Henrique de Mello é considerado inelegível. Ele foi condenado por compra de votos durante eleições de 2012, em Mato Grosso do Sul.

Por Afonso Ferreira e Gabriel Luiz, TV Globo e G1 DF (Foto: Divulgação)

28/03/2019 11h18  Atualizado há uma hora

O atual subsecretário de Atenção Integral à Saúde, Marcelo Henrique de Mello, não poderia ter assumido o cargo no governo do Distrito Federal, de acordo com a Lei da Ficha Limpa. Ele foi condenado pela Justiça Eleitoral por corrupção eleitoral: compra de votos durante as eleições de 2012 em Mato Grosso do Sul. Por isso, está inelegível até 2020.

Mello foi nomeado pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) no dia 30 de janeiro, para um salário de R$ 12.007,79. No entanto, a Lei Orgânica do DF determina que quem é considerado inelegível – após ser condenado por um grupo de magistrados – não pode assumir nenhum cargo público comissionado.

“Conforme sentença proferida pela Juíza da 22ª Zona Eleitoral e mantida pelas instâncias superiores, Marcelo Henrique de Mello foi condenado por compra de voto nas Eleições de 2012 e está inelegível até outubro de 2020”, informou o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul.

“Ele realmente consta como inelegível em nosso Cadastro Eleitoral. Se a Lei Orgânica exige isso, ele realmente não pode assumir.”

Ao G1, o subsecretário afirmou que “não há nenhuma restrição em seu nome”. Procurada, a Secretaria de Saúde apenas apresentou um documento de quitação eleitoral do subsecretário.

“A Secretaria de Saúde informa que ao tomar posse o cidadão Marcelo Mello, então oriundo do Ministério da Saúde, apresentou todos os documentos exigidos por lei para investidura no cargo, inclusive declaração negativa da Justiça Eleitoral.”

O documento diz que ele não tem condenação em última instância (à qual não cabe mais recurso), mas a certidão não menciona a questão de elegibilidade.

“A certidão de quitação não mostra inelegibilidade porque o caso ainda não transitou em julgado”, relatou ao G1 o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O atual subsecretário tentou reverter a condenação pela Justiça Eleitoral de Mato Grosso do Sul, mas o recurso foi rejeitado pelo ministro Og Fernandes, do TSE. “O recurso de Marcelo Mello foi negado no dia 21/03/2019, uma vez que a decisão do TRE segue jurisprudência da Justiça Eleitoral.”

O subsecretário de Saúde Marcelo Mello — Foto: Arquivo Pessoal
O subsecretário de Saúde Marcelo Mello — Foto: Arquivo Pessoal

Eleições de 2012

Marcelo Henrique de Mello concorreu em 2012 pelo PDT para se eleger prefeito de Jardim, cidade a 239 km de Campo Grande, capital do estado. Ele chegou a se eleger, mas, poucos meses depois, a chapa dele foi cassada por conta da suspeita de compra de votos durante a campanha eleitoral em 2012. A cidade teve que fazer uma nova eleição depois disso.

Segundo a acusação, ele fez um acordo, com o dono de um supermercado, para entregar alimentos a eleitores em troca de votos.

Em cumprimento a um mandado de busca e apreensão, foram apreendidas listas com nomes e endereços de diversas pessoas, um relatório com valores de produtos que deveriam ser cobrados de Mello e imagens de câmeras de segurança do supermercado.

De acordo com o Ministério Público Eleitoral, algumas pessoas admitiram que receberam visitas do político e do comerciante e, posteriormente, confirmaram a entrega de mercadorias do supermercado a pedido do então candidato.

Veja o que diz a defesa

“A respeito da decisão proferida pelo TSE publicada no Diário Oficial do dia 26/03/2019, no qual Marcelo Henrique de Mello é parte, sua Assessoria Jurídica informa que se trata de decisão monocrática e, portanto, passível de recurso para o Órgão Colegiado do próprio TSE. Referido recurso será interposto pela defesa de Marcelo, de modo que o processo ainda está sub judice e sem trânsito em julgado. Por fim, segue anexado certidão de regularidade e quitação de Marcelo Henrique de Mello perante a Justiça Eleitoral, emitidas na data de hoje (28/03/2019), demonstrando que não há nenhuma restrição em seu nome.”


4 comentários em “Subsecretário nomeado por Ibaneis no DF é ficha suja e está proibido de assumir cargo até 2020

  • 22 de novembro de 2019 em 19:00
    Permalink

    Once I initially commented I clicked the -Notify me when new comments are added- checkbox and now each time a remark is added I get 4 emails with the same comment. Is there any means you possibly can remove me from that service? Thanks!

  • 25 de novembro de 2019 em 23:29
    Permalink

    I was very pleased to seek out this web-site.I wanted to thanks to your time for this excellent learn!! I positively enjoying each little little bit of it and I have you bookmarked to take a look at new stuff you blog post.

  • 29 de novembro de 2019 em 23:04
    Permalink

    Can I just say what a relief to search out somebody who actually is aware of what theyre speaking about on the internet. You undoubtedly know tips on how to deliver an issue to mild and make it important. Extra individuals must read this and understand this facet of the story. I cant imagine youre no more widespread since you positively have the gift.

  • 5 de dezembro de 2019 em 15:35
    Permalink

    I抦 impressed, I have to say. Really not often do I encounter a weblog that抯 each educative and entertaining, and let me tell you, you have hit the nail on the head. Your thought is excellent; the difficulty is one thing that not enough persons are speaking intelligently about. I am very blissful that I stumbled across this in my seek for one thing regarding this.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.