Apesar de mutirão anunciado por Ibaneis, número de cirurgias na rede pública do DF cai 19,6%

Em 16 dias, 1.200 procedimentos foram concluídos; em pior ano, gestão Rollemberg fez 1.362 no mesmo período. Governo diz que dados ‘não são compilados da mesma forma’.

Por Vinicius Cassela, TV Globo (Foto: TV Globo/Reprodução)

18/01/2019 12h46  Atualizado há 2 horas

Desde que o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretou situação de emergência na saúde da capital, os hospitais passam por um “mutirão de cirurgias”. A medida faz parte do SOS Saúde, pacote emergencial anunciado para tentar resolver as filas de espera.

Nos 16 primeiros dias do governo Ibaneis, foram concluídas 1.200 cirurgias eletivas e de urgência em 10 hospitais. No mesmo período de 2015, no entanto, o início da gestão Rodrigo Rollemberg (PSB) completou 1.362 procedimentos: 13,5% a mais.

Em comparação com o ano passado, a queda chega a 19,6%. O levantamento foi feito pela TV Globo com base nos dados da Secretaria de Saúde do DF.

Em nota enviada à TV Globo, a Secretaria de Saúde alegou que “na gestão passada, os dados de procedimentos cirúrgicos não eram compilados da mesma forma”: “Suturas pequenas que não precisavam de internação do paciente eram computadas anteriormente como cirurgias”.

“O SOS DF Saúde tem trabalhado para dar maior celeridade às cirurgias realizadas nos centros cirúrgicos. São esses os dados que estão sendo apresentados nesta gestão, que estão sendo divulgados de forma responsável”, completou.

Números negativos

O Hospital de Ceilândia (HRC) realizou 121 cirurgias de 1º a 16 de janeiro 2019, uma redução de 55,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Além de Ceilândia, mais cinco hospitais diminuíram a quantidade de cirurgias realizadas no comparativo com 2018. A maior redução foi registrada no Hospital Regional de Samambaia (Hrsam): 62,6%.

Fachada do Hospital Regional de Samambaia, no DF — Foto: Google Maps/Reprodução
Fachada do Hospital Regional de Samambaia, no DF — Foto: Google Maps/Reprodução

Números positivos

Já no Instituto Hospital de Base, houve aumento do número de cirurgias, sejam eletivas, sejam de urgência – o total passou de 246 para 294, um crescimento de 19,5%.

A quantidade de cirurgias realizadas cresceu em apenas três unidades de saúde: além do IHBDF, nos hospitais regionais de Planaltina Sobradinho.

No de Sobradinho, o número de procedimentos cresceu 80%. No ano passado, foram realizadas 110 cirurgias; em 2019, 198. O hospital passou do sétimo lugar no “ranking de cirurgias” para o segundo posto geral.

Tipos de cirurgia

Os procedimentos cirúrgicos realizados pela Secretaria de Saúde se dividem em dois tipos:

  • Eletivos: tratamento não emergencial, que pode ser reprogramado
  • Urgentes: procedimento que ocorre quando o paciente está em estado grave, sendo necessária intervenção médica urgente

No DF, aproximadamente 70% dos procedimentos cirúrgicos realizados são de natureza urgente. Considerando todo o ano de 2017, o último que tem balanço fechado, 57 mil cirurgias feitas, 40 mil eram de urgência e apenas 16 mil, eletivas.

A Secretaria de Saúde não divulgou dados sobre os tipos de cirurgias realizadas em 2019.

Nem todos participam

Nem todos os hospitais da rede pública estão no mutirão anunciado por Ibaneis. Segundo o governo, os hospitais de Santa Maria e do Gama estão em “processo de atualização” da lista de pacientes que esperam por cirurgia.

O hospital do Guará não possui centro cirúrgico. E os hospitais Materno Infantil de Brasília (Hmib), da Criança José Alencar (HCB) e o Universitário (HUB) não participam.

Pacientes internados em corredor do Hospital Regional de Santa Maria — Foto: Reprodução
Pacientes internados em corredor do Hospital Regional de Santa Maria — Foto: Reprodução

Estado de emergência

A situação de emergência na saúde do DF foi decretada em 8 de janeiro e vai durar 180 dias, o equivalente a seis meses. Veja o que muda, de acordo com o decreto:

  • Ampliação de carga horária de servidores efetivos da Secretaria de Saúde
  • Nomeação de aprovados em concurso público
  • Contratação temporária de servidores públicos
  • Autorização para a Secretaria de Saúde requisitar servidores das forças de segurança: Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar e da Polícia Civil

Com a situação de emergência em vigência, o governo do DF também poderá fazer compras sem licitação. O decreto indica, porém, que, enquanto o decreto estiver de pé, “não ficam afastados os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”.

Além disso, o governo do DF se comprometeu a encaminhar à Câmara Legislativa, ao Tribunal de Contas, ao Tribunal de Justiça e ao Ministério Público um documento no qual aponta as razões do estado de emergência e relatórios trimestrais com as ações adotadas.


Um comentário em “Apesar de mutirão anunciado por Ibaneis, número de cirurgias na rede pública do DF cai 19,6%

  • 19 de julho de 2020 em 21:42
    Permalink

    How much, he has the WWE “Spend Disordered” breathing TV adhere in 2001, and had his “Guidance Buying cialis online usa Raw” pro tenderness vaginal in 2002. cialis 20 canadian online pharmacy cialis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.