Com superfaturamento, projetos e obra da sede da Petrobras na BA passam de R$ 320 milhões para R$ 1,3 bilhão

Por Pedro Brodbeck e Thais Kaniak, G1 PR — Curitiba (Foto: Pedro Brodbeck/ G1)

 

Com o superfaturamento na construção da sede da Petrobras em Salvador (BA), os projetos e a obra do prédio passaram de R$ 320 milhões para R$ 1,3 bilhão, de acordo com a procuradora do Ministério Público Federal (MPF) Isabel Vieira Groba.

O superfaturamento é alvo de investigação da 56ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira (23). O valor de R$ 1,3 bilhão informado pela procuradora é atualizado.

“Esquema bastante orquestrado e organizado de sangria mais uma vez nos cofres da Petrobras”, afirmou a procuradora.

Até o momento, 17 pessoas foram presas. Ao todo, há 33 mandados de prisão para 22 alvos. O número de mandados é maior do que o número de pessoas porque alguns dos investigados têm mais do que um endereço.

Três pessoas, conforme a Polícia Federal (PF), estão fora do país.

Veja onde há mandados de prisão:

  • Bahia – 6 preventivas e 9 temporárias
  • Minas Gerais – 1 temporária
  • Rio de Janeiro – 6 preventivas e 3 temporárias
  • São Paulo – 2 preventivas e 6 temporária

Segundo a PF, os presos preventivamente, ou seja, por tempo indeterminado, serão levados à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

Superfaturamento

Houve superfaturamento nos contratos de gerenciamento da construção, de elaboração de projetos de arquitetura e de engenharia, de acordo com a PF.

O nome da sede da Petrobras, em Salvador, é Torre Pituba. O prédio foi construído pela OAS e pela Odebrecht – ambas já investigadas anteriormente pela Lava Jato.

“Quem construiu a planilha de preços para a contratação de obras foi a OAS e a Odebrecht”, disse procuradora Isabel.

As duas empreiteiras distribuíram vantagens indevidas de, pelo menos, R$ 68.295.866 que representam quase 10% do valor da obra, segundo o MPF.

Os valores eram direcionados, segundo o PF, para viabilizar o pagamento de vantagens indevidas para agentes públicos da Petrobras, do PT e dirigentes da Petros.

O esquema de contratações fraudulentas e pagamentos de vantagens indevidas aconteceu entre 2009 a 2016, de acordo com o MPF.

O delegado da PF Christian Wurster disse que a investigação desta etapa da Lava Jato se iniciou por meio da delação de dois operadores ligados ao doleiro Alberto Youssef: Roberto Trombeta e Rodrigo Morales.

Prisões

A PF não divulgou os nomes dos alvos de prisão, pois, até a última atualização desta reportagem, a operação estava em andamento.

Contudo, o G1 apurou que Marice Correa, cunhada do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto, foi presa temporariamente em São Paulo.

Mario Cesar Suarez, da OAS, também foi preso, mas em caráter preventivo. A prisão dele ocorreu na capital baiana.

Já Wagner Pinheiro Oliveira, ex-presidente da Petros e Correios, foi alvo de busca e apreensão no Rio de Janeiro.

Marice Correa, cunhada do ex-tesoureiro PT João Vaccari Neto, é conduzida por policiais federais em SP — Foto: Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Estadão Conteúdo
Marice Correa, cunhada do ex-tesoureiro PT João Vaccari Neto, é conduzida por policiais federais em SP — Foto: Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Estadão Conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.