Pelo 2º dia, marchas de manifestantes pró-Lula geram engarrafamentos em principais pistas do DF

Somadas, estradas registraram 26 km de lentidão. Militantes ocupam acostamento e uma faixa de cada rodovia.

Por G1 DF

 

Pelo segundo dia seguido, três rodovias do Distrito Federal registraram engarrafamentos como reflexo do deslocamento de manifestantes favoráveis ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva(PT), na manhã desta terça-feira (14).

Até as 8h15, havia lentidão na Epia Sul, no acesso ao Eixão pelo aeroporto e na descida do balão do da Granja do Torto em direção ao Eixão. Somados, os engarrafamentos alcançaram 26 km de extensão.

Por conta dos protestos, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e o Detran liberaram a circulação nas faixas exclusivas durante todo o dia. A medida busca aliviar o trânsito na EPTG, na EPNB, na W3 e no Setor Policial. A faixa do BRT, no entanto, não foi liberada.

O grupo marcha em direção ao Estádio Mané Garrincha, no centro de Brasília, onde vai se concentrar.

Ele é dividido em três “colunas” – de segunda para terça-feira, os manifestantes que vêm da Amazônia e do Centro-Oeste acampam na Rodoviária Interestadual de Brasília; a caminhada que reúne militantes do Sul e do Sudeste fica perto do balão do Aeroporto JK; já o grupo do Nordeste parou no balão da Granja do Torto.

Manifestantes no acesso ao Eixão pelo Aeroporto (Foto: Reprodução/TV Globo)

Manifestantes no acesso ao Eixão pelo Aeroporto (Foto: Reprodução/TV Globo)

Durante a marcha, os militantes ocuparam o acostamento e uma faixa das estradas, segundo a Polícia Militar do DF. A corporação não estimou o número de manifestantes em cada ponto.

Segundo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), cerca de 1,5 mil pessoas participam de cada deslocamento. Na segunda-feira, o ativista de direitos humanos argentino Adolfo Pérez Esquivel, vencedor do prêmio Nobel da Paz em 1980, esteve na marcha.

Na quarta (15), o Partido dos Trabalhadores (PT) deve registrar a candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.